logotipo
35 anos de rock'n'roll

Conheça nossas redes sociais!

Música do Dia


URIAH HEEP - Take Away My Soul

  • Dee Snider confirmado em Curitiba

    Terça, 19 de março de 2019
  • Entrevista EXCLUSIVA com Grave Digger: "Todos nós precisamos cuidar do planeta!"

    Terça, 19 de março de 2019
  • 37 anos do último show de Randy Rhoads ao lado de Ozzy Osbourne

    Segunda, 18 de março de 2019
Erro
  • JFolder::files: Caminho não é uma pasta:

Rock na Praça: 1ª edição do evento reuniu cinco mil pessoas em SP

Texto por Vítor Dalseno e fotos por Thiago Henrique/divulgação

 

A primeira edição do Rock na Praça, realizada em frente à Galeria do Rock, no centro de São Paulo, no último domingo (13), foi um sucesso. Cerca de cinco mil pessoas tomaram a Rua Vinte e Quatro de Maio para curtir o festival que contou com quatro atrações: Marcello Pompeu (vocalista do Korzus) e amigos, Worst, Nervosa e Project 46. Idealizador do projeto, Fabricio Ravelli definiu o evento como a realização de um sonho.

 

“O Rock na Praça foi idealizado com o intuito de garantir à cultura rock um espaço na agenda e nas políticas públicas de São Paulo. Depois de muitas idas e vindas, reuniões, preocupações, é indescritível a sensação de ter visto aquele palco montado, com os shows rolando e a galera toda curtindo”, disse Fabricio.

 

O vocalista do Imbyra, ex-baterista da banda americana Hirax e apresentador do programa Contraponto também fez questão de agradecer a todas as pessoas diretamente envolvidas no projeto. “Tivemos o prazer e a honra de contar com um grupo de amigos e profissionais de extrema competência, dedicação e lealdade a essa causa. Todos os shows começaram no horário previsto, graças ao comprometimento das bandas”, afirmou Fabricio.

 

Na opinião do idealizador, a primeira edição demonstrou ser possível atingir um dos principais objetivos do projeto: a quebra de alguns paradigmas, como o que associa o rock ao consumo de drogas e à violência.

 

“O público deu um show à parte: cinco mil presentes e nenhuma ocorrência registrada pela Polícia Militar. A cena rock é pacífica, politizada e consciente, quer apenas curtir suas bandas preferidas, falar de rock, divertir-se e mostrar sua arte de maneira profissional, sendo merecidamente reconhecida por isso”, completou Fabricio.

 

A partir da segunda edição, que provavelmente ocorrerá em abril de 2016 – ainda em local a ser definido –, o Rock na Praça abrirá espaço para os músicos independentes. Os detalhes do processo de seleção das bandas para as próximas edições serão divulgados em breve.

 

“Decidimos reunir somente bandas consagradas no primeiro evento para divulgar o projeto. A partir da próxima edição, daremos aos conjuntos independentes a oportunidade de dividir o mesmo palco com bandas de maior expressão. Queremos incluir a cultura rock no calendário de eventos da Cidade, espalhando-a nas mais diversas regiões e promovendo ações para que o público se divirta de forma alegre e segura, mostrando que o rock tem sua vez em São Paulo”, explicou Fabricio.

 

 

Fonte: Rock na Praça

 
Próximos Shows
Sem Eventos
Busca no site