logotipo
35 anos de rock'n'roll

Conheça nossas redes sociais!

Música do Dia


HUNTRESS - Eight Of Swords

  • Slash: lançado "Mind Your Manners", mais um single do novo álbum

    Segunda, 20 de agosto de 2018
  • Aretha Franklin: morre a rainha do soul, aos 76 anos de idade

    Sexta, 17 de agosto de 2018
  • Jill Janus: morre aos 43 anos a vocalista da banda Huntress

    Sexta, 17 de agosto de 2018

Polysom: empresa amplia serviços e começa a duplicar cassetes

 

Desde que foi reativada, em 2009, a Polysom vem crescendo a cada ano, assim como o mercado de vinil, no Brasil e no Mundo. Agora a fábrica amplia seus serviços, dando início à duplicação de fitas cassetes. A produção começou em maio, após quase um ano de preparação, em busca de uma qualidade condizente com os novos tempos. Assim como o vinil de hoje é muito melhor do que o que se fazia até os anos 1980, a Polysom está trabalhando para que o cassete tenha qualidade diferenciada: “Antigamente, as fitas não tinham qualidade como as importadas que serão utilizadas agora”, explica João Augusto, consultor da Polysom. “Os cuidados eram menores em razão da altíssima quantidade de produção e o controle de qualidade praticamente não existia.

 

O formato em si inspirava desconfiança em quem desejava um som melhor. Nós vivemos outros tempos. O consumidor não aceita mais receber produtos com defeito e ter que improvisar, bobinando fita com caneta BIC, por exemplo (no caso do vinil, havia a indefectível caixa de fósforo ou a moeda que se colocava sobre o braço para o disco não pular). A Polysom está preparada para fornecer fitas em várias cores com som de qualidade e o único fator de dúvida será o equipamento do consumidor, que precisa estar alinhado e com a cabeça limpa”.

 

Para isso, a Polysom se equipou com dois sistemas de duplicadoras Otari e um sistema da marca Kaba. Todos os equipamentos, que são de primeira linha, foram recuperados pelo engenheiro paulista Milton Lange, conhecido por sua expertise na área e por seu apoio incondicional ao formato. Para ele, a volta do cassete irá provar que a qualidade só depende de como ele é duplicado e reproduzido, além da própria qualidade das fitas.

 

“Sempre que falo a alguém sobre a volta dos cassetes, sinto uma fortíssima sensação de déjà vu ao me lembrar do início do retorno do vinil”, conta João. “As pessoas ficam completamente céticas, penso até que algumas consideram que enlouquecemos de vez. Para os que duvidam da existência de novos players, relembro que apenas 2 fábricas em todo o mundo tinham os toca-discos em sua cadeia de produção quando retomamos os discos de vinil. Hoje são mais de 20 marcas ativas, com os mais diversos níveis de qualidade. No caso do cassete, já há equipamentos profissionais e semi-profissionais sendo produzidos por grandes marcas do passado. É apenas uma questão de tempo”.

 

A capacidade de produção inicial será de 4 mil cassetes/mês. As artes dos rótulos serão impressas diretamente nas fitas, em tinta UV, até 4 cores. Para isso, a Polysom adquiriu uma sofisticada impressora da marca japonesa Roland. As fitas terão várias cores disponíveis.

 

Os primeiros títulos lançados no formato, no Brasil, incluem os álbuns Usuário, do Planet Hemp, Tranquility Base Hotel & Casino, do Arctic Monkeys, Nando Reis - Voz E Violão - No Recreio - Volume 1, de Nando Reis e (Des) Concerto Ao Vivo, de Pitty, relançamento comemorativo de 10 anos do lançamento. Um detalhe: o Brasil é o único país do mundo que terá o lançamento do novo álbum do Arctic Monkeys em cassete.

 

Dados do vinil

 

De 2012, ano em que a Polysom se estabilizou em produção e vendas, até os dias de hoje, o vinil seguiu crescendo em todo o mundo em percentuais surpreendentes.

 

O número de fábricas aumentou das 42 então existentes para 65, aumentando a oferta, que, entretanto, ainda é insuficiente para a alta demanda.

 

Alguns números:

 

269% foi o aumento da produção entre os anos de 2011 e 2017.

 

38% foi o aumento das vendas às lojas entre 2015 e 2017, apesar das graves crises no comércio ocorridas nos dois últimos anos.

 

35% é a previsão de aumento para 2018, em relação à 2017.

 

SOBRE A DECK – 20 ANOS

 

Responsável pelo retorno do vinil ao Brasil e agora pela volta dos cassetes, a gravadora Deck completa 20 anos em 2018. Sobrevivendo de forma independente, em um meio onde a maioria fechou suas portas, ela se apresenta como uma das gravadoras que mais lança artistas no país. No seu elenco sempre houve uma grande diversidade de gênero, entre nomes consagrados e novas apostas: Pitty, Vanguart, Matanza, Elza Soares, Alceu Valença, Toquinho, João Donato, Fernanda Takai, Nando Reis, Paulinho Moska, Roberta Campos, Gabriel Elias, Paulo Miklos, Falamansa, Rastapé, Trio Virgulino, Trio Nordestino, Edson & Hudson, Zé Henrique & Gabriel, Boss in Drama, Marcelinho da Lua, Perlla, Naldo, Antonio Adolfo, Hamilton de Holanda, Grupo Revelação, Arlindo Cruz, Sorriso Maroto, Teresa Cristina e Cacife Clandestino.

 

Além da gravadora, equipada com um dos melhores estúdios do Brasil, o Estúdio Tambor, e reconhecidamente uma pioneira da distribuição digital de música no país, ainda há a Editora Deck, que tem crescido muito a cada ano.

 

As comemorações dos seus 20 anos seguirão ao longo desse ano. No final de maio, foi realizado um mega-evento aberto ao público e, ainda em 2018, será lançado o documentário de longa duração dirigido por Daniel Ferro, contando a história da gravadora e da música independente no Brasil e reunindo vários entrevistados de peso, como André Midani, Nelson Motta, Washington Olivetto, Roberto Menescal e Ziraldo, entre outros tantos artistas e jornalistas.

 

Para download das capas e imagens dos cassetes: http://www.batucadacomunicacao.com/site/imprensa-

 

Mais informações: http://polysom.com.br/site/

 

www.batucadacomunicacao.com


Fonte: Batucada Comunicação

 
Próximos Shows
Sem Eventos
Busca no site